Cubra libre nunca mais

Mônica estava em um daqueles dias em que não tinha certeza do que queria. Havia falado com seu ex marido que mais uma vez tinha tirado o chão dela. Resolveu sair com duas amigas, Dani e Viviane, e ir para um bar, em que tinha uma paquera em andamento. Mônica tomou duas doses de Cuba Libre e ainda estava de pé, achou que agüentava mais uma dose. Mera ilusão!

Estava ela dançando com Dani, sua amiga, quando se virou para o balcão para beber a outra dose. Quando voltou a dançar, Dani percebeu que havia algo errado com a amiga. Mônica não ficava de pé e nem reta, seus olhos reviravam de um lado para outro. Dani e Viviane resolveram levar ela para o bar de cima e deixaram-na sentada lá. Mônica não se mexia, na posição que as meninas largam ela, ela ficou.

Depois de um tempo Mônica juntou todas as suas forças e foi para rua, pois estava vendo que ia vomitar, mal saiu na rua e botou o mundo para fora e o porteiro gritava:

- Na laje não! Na laje não! Vomita na grama!

Quando Viviane e Dani chegaram na rua, o caso era sério. Mônica não parava de vomitar e não conseguia ficar em pé. As meninas então resolveram que estava na hora de levar ela embora, no seu estado caótico Mônica não sabia o que estava fazendo. Ao chegar em seu prédio, não conseguia caminhar, dava um passo e vomitava, outro passo e vomitava. As meninas a deitaram na cama e voltaram para o bar e Mônica repete até hoje: Cuba Libre nunca mais!!!!!

Posts recentes

Ver tudo

São tantas histórias, tantos absurdos em sequência que eu me pergunto: o que falta pra gente realmente se rebelar? No Brasil, a cada dez minutos uma mulher é estuprada. A cada minuto, oito mulheres sã

Uma vez, um aluno me disse: — Suas aulas são muito boas, pena que você é tão feminista. E essa frase me impactou. Primeiro porque acho que tenho muito a aprender ainda neste caminho do feminismo. E se

Difícil mesmo é saber se escuto minha mente ou sigo o coração: um grita desiste o outro diz insiste.