Não me atiro


Tem tanto dentro de mim que eu queria te mostrar.

Mas tem tanto medo também,

tanta coisa mal resolvida,

amores inacabados,

desprezo e insegurança.

Tem traumas, negras

e juras de proteção que de nada me protegeram.

Eu quero tirar a roupa.

Quero mostrar o que tem por baixo dos panos,

das máscaras coloridas,

dos sorrisos fáceis.

Quero desnudar a alma.

Desligar o ar condicionado

e desmontar a cabana de cobertas que me protege,

enquanto choro,

em posição fetal.

Eu quero.

Mas o tombo é alto.

Eu não vejo o fim do precipício,

é escuro e sem qualquer corda — ou mão — a me segurar,

não me atiro.

Posts recentes

Ver tudo

São tantas histórias, tantos absurdos em sequência que eu me pergunto: o que falta pra gente realmente se rebelar? No Brasil, a cada dez minutos uma mulher é estuprada. A cada minuto, oito mulheres sã

Uma vez, um aluno me disse: — Suas aulas são muito boas, pena que você é tão feminista. E essa frase me impactou. Primeiro porque acho que tenho muito a aprender ainda neste caminho do feminismo. E se

Difícil mesmo é saber se escuto minha mente ou sigo o coração: um grita desiste o outro diz insiste.